CGOP - Centro Ginecológico Obstétrico Paulista

Galeria
Galeria »
Saúde da mulher
Saúde da mulher »
Artigos
Artigos »


Horários de Atendimento

De Segunda à Sexta-feira
das 8:00h as 18:30h



Endereço de nossa clínica

Rua Cubatão, 1075
Vila Mariana - São Paulo
CEP-04013-044 - SP
Agende sua consulta: 11-5549-3002/5549-3573




» Artigos da equipe do CGOP

CORRUPÇÃO

Por: Dr. Rubens Paulo Gonçalves
Publicado em: 19/04/2016

CORRUPÇÃO

Etimologia
História
O homem e a corrupção
Corrupção nos regimes políticos
Moral e Ética
Conclusão

Etimologia

A etimologia da palavra corrupção, fala de uma ruptura da ordem estabelecida, pois é a junção da partícula de adesão “co” com a palavra latina ” Ruptus” que quer dizer, romper, quebrar. Indica então o desvirtuamento de normas sociais, por uma conduta que as viole. Os romanos já empregavam o advérbio corrupte . Cicero usava Judcare corrupte , para indicar a forma como alguns magistrados exerciam as suas funções. Plauto e Cicero chamavam corrupto-oris, aquele que de alguma forma aceitava subornos ou violava alguma das virgens vestais( 6 virgens dedicadas a cuidar do templo da deusa do fogo Vesta). Todos esses termos se derivam do verbo rumpto, rumpere ou seja, violar,transgredir, romper. Em sânscrito, rumpayati (morfologicamente). Santo Agostinho no ano 416 dc em uma carta para São Jerônimo cita que corrupção era a junção de duas palavras: Cor, coração e ruptus ou seja rompido,pervertido. Cita Genesis onde está escrito: “ A tendência do coração é desviante desde a mais tenra idade ( 8:21) Com isso querendo dizer que há uma força em nós que nos incita ao desvio das condutas éticas.

História

O Estado e sua estrutura interna existem , para a satisfação das exigências sociais,individuais e coletivas dos indivíduos que o compõe. Onde existe coletividade, pluralidade e divergências, provavelmente existira corrupção pois ela é um integrante do sistema social com suas diversidades. Como qualquer praga social mesmo as de origem biológica,temos que partir do princípio que é utópico pensar em exterminar a corrupção mas sim, nos propormos a controla-la.

Se procurarmos na historia, os primeiros atos de corrupção, encontraremos na antiga Roma, histórias inacreditáveis desse processo.

Assim por exemplo, todos os funcionários públicos amealhavam fortunas por vender facilidades para cidadãos comuns. Desde terras, financiamentos públicos para pequenos negócios, financiamento para compra de animais, até moradias eram conseguidas desta maneira. No exercito, os soldados para terem mais folgas em dias de serviço, passavam à seus superiores propinas para faltarem e, nesse tempo, poderem exercer outras tarefas lucrativas. Essas não eram senão a exploração, por exemplo, do homem que plantava em sua terra, exigindo dele contribuições mensais para não denuncia-lo como contraventor. Quando esses soldados eram percebidos com mais dinheiro, por seus chefes, esses, aumentavam o número de suas tarefas para poderem receber mais por suas ausências.

É preciso levar em conta que vários imperadores, tentaram diminuir a corrupção em Roma. Foi lá, que instituíram os primeiros livros contábeis do Estado, na tentativa de ordenação das despesas públicas.

Sêneca, (Lucius Annaeus Seneca) nascido no ano 4 antes de Cristo, um dos mais importantes advogados e escritores romanos, também poeta e filosofo , dizia que a pilhagem das províncias como governador, era o caminho para o senado. Se bem que em termos materiais era melhor ser governador que ser senador desde que o poder central fizesse vistas grossas para as negociatas, coisa que geralmente acontecia desde que recebesse a sua parte. Milionário por sua herança, era um estoico servidor, se alimentava pouco, não bebia nada além de água, dormia numa cama dura, como um asceta. Sêneca a pedido de Agripina foi preceptor de Nero e os dez primeiros anos de equilíbrio do império do desvairado imperador podem ser creditados á ele. Depois louco e matricida, Nero ordenou que Sêneca se suicidasse . CICERO ( Marco Tulio Cicero) Nasceu 106 ac e morreu 49 ac. Sua atuação mais importante como advogado foi a defesa que fez do senador Caio Rabírio, acusado pelo imperador Julio Cesar de traição. Inocenta Rabírio e, denuncia a conspiração do anarquista Catilinio pronunciando as quatro famosas Catilinárias. Famoso por sua erudição, ao voltar milionário para casa depois de governar como pró cônsul uma das províncias romanas ( Cilícia), não escondeu suas façanhas monetárias. Galgou ao senado, não por ser de família nobre mas por sua extraordinária oratória. Ele talvez seja o exemplo mais antigo daquele que saindo das camadas mais baixas da sociedade ascende na vida política por sua oratória. Não media esforços para amealhar a maior quantidade de recursos possíveis para si e para os seus apaniguados. Sua cabeça e suas mãos foram expostas em Roma após sua sentença de morte decretada por Marco Antonio, Otavio e Lépido, que constituíram o segundo triunvirato, após ser injustamente acusado de traição.

O Homem e a corrupção

Quando temos a nossa frente, alguém reconhecidamente corrupto, vários pensamentos nos surgem . O que move essa criatura a ser como é? Na verdade ele parece muito esperto! Fala bem! Até convence. Mas porque é corrupto? Poderia ser diferente, ter o respeito de seus pares,! E sua esposa e filhos? Será que sabem o que ele faz? Se comprazem disso porque aproveitam dos bem recolhidos desta forma? Será que ele é só desonesto com o dinheiro e bens ? Será a ânsia de poder que o move? E com seus sentimentos amorosos? Como se comporta. Afinal!

Como é a personalidade de um ser corrupto ou corruptor?

Considerando a personalidade como a síntese de nossos comportamentos cognições e emoções, que fazem de cada um, um ser único, temos que pensar que como as situações enfrentadas mudam, as respostas têm que mudar. As pessoas normais mostram respostas diferentes para situações diferentes, com uma certa flexibilidade, mas aqueles os que são próximos reconhecem em qualquer das respostas aquele ser que identificam . Quando uma pessoa não mostra essa possibilidade de flexibilidade e adaptabilidade apresentando um limitado repertório de respostas, temos a patologia, onde está sempre presente em primeiro lugar a vantagem pessoal e depois o bem alheio.

J.A. Figueiró, psiquiatra, em entrevista á ISTO É considera:

O corrupto é sociopata e este transtorno caracteriza uma psicopatia. O individuo normal, não mata, não rouba e também não corrompe ou é corrompido. É um borderline, ou seja alguém que está no limite entre o normal e o patológico. Apresenta relações instáveis de amor e ódio. Hoje está com você, mas amanhã pode estar contra desde que ache que isso o beneficia. Os transtornos de personalidade são intratáveis, incuráveis e irreversíveis. Ninguém nasce corrupto mas já por volta dos 10 anos podemos perceber que algumas crianças têm um profundo desprezo pelo outro e apresentam um padrão repetitivo e persistente de comportamento no qual o direito do próximo é constantemente violado em benefício próprio.

Não poderemos afirmar que essa criança será portadora de uma psicopatia que a fará tornar-se um corrupto, mas sem dúvida, estamos diante de um terreno fértil para tal.

O grau de empatia dessas pessoas é muito baixo. Empatia é uma emoção na qual o indivíduo é capaz de reconhecer os sentimentos do outro, e então ligar-se a ele. Significa ter consideração pelo outro. Jovens podem, entretanto, percebendo-se assim com essa deficiência, com inteligência, camuflarem sua não sociabilidade, com um discurso extremamente hábil que as faça parecer o inverso. No entanto falham no cumprimento de obrigações e nas ligações mais íntimas. A habilidade em disfarçar está diretamente ligada a inteligência e a um discurso bem articulado. Muitas vezes essas qualidades os levam a profissões que necessitam esses recursos. Com o tempo e a exposição, sem dúvida esses indivíduos acabam se envolvendo em litígios ou processos. Acredito que não é totalmente verdadeira, mas eivada de licitude, a frase de Rosseau;

“ o homem nasce bom, a sociedade o corrompe”.

Características genéticas que levam a psicopatias podem facilmente, encontrarem terreno fértil no ambiente, levar alguém a assim torna-las atuantes..

Atividades cerebrais nos fazem antever se uma pessoa é honesta ou não.

Pelo menos é o que afirmam dois cientistas de Harvard ( Joshua Greene e Josheph Paxton) que fizeram a seguinte experiência:

O teste constava de simplesmente jogar uma moeda para cima e anotar num papel antes de jogá-las se dariam cara ou coroa. Sem fiscalização nenhuma, marcavam se estavam certos na previsão ou não. Se acertassem a cada acerto ganhavam dinheiro se não, não. Ou seja, todos tinham enorme possibilidade de trapacear. Acontece que todos eram ligados a dispositivos de ressonância que escaneavam os centros de decisão. Os honestos, não apresentavam nenhum aumento de atividade da córtex pré-frontal, denotando com isso que não precisavam nenhum esforço para serem honestos. Já os trapaceadores mostravam aumento da atividade mesmo quando resolviam dizer a verdade. Após alguma pratica, os pesquisadores podiam prever se as pessoas submetidas ao teste seriam honestas ou não antes de começarem a responder. Ampliada, essa experiência poderia muito bem ser aplicada a pretendentes a cargos públicos ou de confiança. Faltam maiores comprovações cientificas, mas acabaremos por chegar lá. Acaba de ser lançado nos E.U. um livro do economista comportamental Dan Ariely intitulado: “ A Honesta Verdade Sobre a Desonestidade” onde ele chega a conclusão que três fatores influenciam na decisão ou não de cometer um delito:

1- Beneficio esperado,
2- a possibilidade de ser pego e
3- o tamanho da pena..

Com um teste semelhante ao de Harvard concluíram que quase todo mundo tapeia. De um lado temos vontade de obter vantagem e de outro precisamos manter para nós mesmos a imagem de que somos razoavelmente honestos como convém ás pessoas dignas. Como resolvemos isso?

Infantilmente: trapaceamos só um pouquinho.

O aceitável está em 10 a 15% dos nossos atos. Com isso, com todas as racionalizações possíveis, nos desculpamos e podemos olhar no espelho e nos sentirmos seres humanos maravilhosos.

A CORRUPÇÃO NOS REGIMES POLÍTICOS

Numa análise superficial, parece que quanto mais ditatorial for um governo, maior é a possibilidade de corrupção. No entanto analisando um pouco mais, notaremos , que essa afirmativa pode ser ao menos contestada por uma outra afirmação: em um regime democrático, mais luta pelo poder existe e maior possibilidade de acertos podem acontecer para os objetivos serem alcançados.

Isso de alguma maneira ligaria os pretendentes a cargos públicos, aos financiadores das campanhas e daí as trocas de favores a custa do erário público. Essa é a visão de Boaventura de Souza Santos(1996) . Já Schilling (1997) coloca que não é possível aferir essa variável já que em regimes democráticos, até pela existência de uma oposição, os atos se tornam mais transparentes enquanto que em regimes autoritários isso não acontece.

Segundo Luiz Fernando Miranda (Revista Polêmica da UERG 2005) se incorporarmos as variáveis da corrupção poderemos dizer que temos três eixos para conseguirmos detectá-la e que acabarão sendo determinantes de conduta para aplacá-la;
Controle; como a possibilidade de votar
Liberalização; a capacidade da população de interferir fazendo oposição ou contestando o poder;
Inclusividade; como o maior número de pessoas capazes de participar dos processos de eleição , cargos públicos e ser votado.

Daí:

   Quanto maior o controle
   Quanto maior a inclusividade
   Quanto maior a liberalização

Menos corrupção. O contrário é absolutamente verdadeiro. È portanto impossível nos regimes autoritários sabermos do grau de corrupção.

Moral e Ética

A palavra ética vem do grego.

“ Ethos” que quer dizer modo de ser.

” Moral” vem do latim “mores” que quer dizer costumes ou seja um conjunto de normas que regulam o comportamento do homem na sociedade, normas estas adquiridas pela educação, pela tradição e pelo cotidiano. Do ponto de vista pessoal, cometemos diuturnamente atos não muito éticos, talvez até pequenos desvios ,morais. Algum sinal vermelho que ultrapassamos, algum desrespeito ao próximo. A percentagem de nossos atos atitudes e posturas é o que nos leva aos 10% ou 15% das experiências que os cientistas de Harvard elaboraram.

CONCLUSÃO

“De tanto ver triumfar as nulidades;de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça; de tanto ver agigantarem-se o poder nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto” Ruy Barbosa (1849/1923) Tão atual quanto este texto, é o pensamento que “ corruptos mesmo são os políticos”. E os corruptores? E nós que não fiscalizamos aqueles que elegemos; e os que procuram se beneficiar de ligações políticas? As nações com menor número de casos de corrupção são as que têm maior número de auditores. A Dinamarca e a Holanda possuem 100 auditores fiscais formados para cada 100.000 habitantes . Pelo World Economic Forum , o Brasil possui 8 auditores para cada 100.000 mil habitantes. Uma das maiores Universidades brasileiras, possui 65 professores de Economia e somente 1 professor de Auditoria. Se quisermos o mesmo nível de auditoria da Dinamarca e Holanda precisamos formar e treinar 160.000 auditores. Aqui temos doze economistas formados para cada auditor. Nos Estados Unidos temos doze auditores para cada economista. Nos E. Unidos o Certified Public Accountman, na Inglaterra o Chantered Accontant colocam os auditores num pedestal de honorabilidade. No Brasil os auditores ( ou Contador Publico) foi substituído pelo Engenheiro. Bons salários e valorização profissional são os requisitos que faltam. Os ordenados de nossos auditores estão congelados e desatualizados. Estamos falando mal dos existentes e não estamos preparando os futuros.

Segundo Stephen Kanitz, “o capitalismo remunera bem quem trabalha e ganha , mas não consegue remunerar quem impede o outro de ganhar roubando”.

“Precisamos da vigilância de um poderoso sistema imunológico, que combata a infecção no nascedouro, como acontece nos países considerados honestos e auditados ou auditados e por isso honestos. Portanto o Brasil não é um país corrupto é simplesmente um país pouco auditado” (Classificação a seguir).
PAÍSES NO RANKING DE CLASSIFICAÇÃO POR CORRUPÇÃO AVALIADOS PELA TRANSPARÊNCIA INTERNACIONAL CLASSIFICAÇÃO PAÍSES % DE 0 A 10


1 - Finlândia --------------------------------------- 9,7
2 - Nova Zelândia ----------------------------------- 9,6
3 - Dinamarca, Islândia ----------------------------- 9,5
5 - Cingapura --------------------------------------- 9,3
6 - Suécia ------------------------------------------ 9,2
7 - Suíça ------------------------------------------- 9,1
8 - Noruega ----------------------------------------- 8,9
9 - Austrália --------------------------------------- 8,8
10 - Holanda ---------------------------------------- 8,7
11 - Reino Unido ------------------------------------ 8,6
12 - Canadá ----------------------------------------- 8,5
12 - Áustria, Luxemburgo ---------------------------- 8,4
15 - Alemanha --------------------------------------- 8,2
16 - Hong Kong -------------------------------------- 8,2
17 - Bélgica, e Estados Unidos ---------------------- 7,5
20 - Chile ------------------------------------------ 7,4
22 - França, Espanha -------------------------------- 7,1
28 - Uruguai ---------------------------------------- 6,2
41 - Costa Rica ------------------------------------- 4,9
51 - El Salvador, Rep.Tcheca, Trinidad e Tobago ----- 4,2
59 - (BRASIL)
60 - Belize, Colômbia ------------------------------- 3,8
62 - Cuba, Panamá ----------------------------------- 3,7
67 - Peru, Croácia, Polônia, Sri Lanka -------------- 3,5
87 - Repúb. Dominicana, Irã, Romênia ---------------- 2,9
97 - Argélia, Líbano, Macedônia, Nicarágua, Sérvia,Montenegro - 2,7
108 - Argentina, Líbia, Autoridade Palestina -------- 2,5
112 - Equador --------------------------------------- 2,4
114 - Honduras, Venezuela --------------------------- 2,3
122 - Bolívia, Guatemala, Sudão --------------------- 2,2
129 - Iraque, Camarões, Quênia, Paquistão ----------- 2,1
140 - Paraguai, Azerbaijão -------------------------- 1,9
144 - Nigéria --------------------------------------- 1,6
145 - Haiti, Bangladesh ----------------------------- 1,5


Veja outros artigos publicados pelo CGOP:

06/04/2016 - O Amor ao Entardecer
06/04/2016 - As Primeiras Relações
06/04/2016 - Masturbação
06/04/2016 - A Evolução da Sexualidade
27/06/2014 - Aprender Sempre . Transmitir ?
16/04/2011 - Trair ou não Trair - “UM MANUAL PARA UMA COISA OU OUTRA”
08/10/2010 - Mamografia... Como doi!
06/02/2008 - Anticoncepção e as Conquistas da Mulher


Fone / Fax - (011) 5549-3002 A Clínica| A saúde da mulher| Convênios| Parceiros| Localização
CGOP® - Centro Ginecológico Obstétrico Paulista - 2017 - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Special Bits & Midiatre